A Busca pela IA cresce, porém a Inteligência humana é mas maleável

Com o progressão da técnica, a perceptibilidade sintético ganhou espaço no planeta digital. O relatório anual do AI Índice deste ano confirma essa informação. Este mostra que, pesquisas em desenvolvimento de IA (Inteligência Artificial) cresceram em relação aos anos precedentes.

Entre os muitos campos que abrangem o domínio da técnica, índices mostram que houve aumento considerável em números de artigos publicados, investimentos privados, tempos qualquer vez mas curtos de estágio de máquina interesse de distinção entre os graduados em computação.

Incremento popularidade

Entre 1998 2018, houve um aumento de 300% na publicação de artigos sobre IA. A participação em conferências também cresceu. O NeurlPS espera mais ou menos 13.500 membros no acontecimento deste ano, o homeomorfo a um acréscimo de 800% em relação à conferência de 2012.

O ensino na espaço se tornou também popular. Inscrições em cursos de estágio de máquina em universidades presenciais à intervalo nunca foram tão requisitadas. As estimativas sugerem que a aperfeiçoamento mas procurada entre os graduados em computação na América do Setentrião são os campos de IA. Mas de 21% dos PhDs em CS optam pela dimensão, que é mas que o duplo da segunda mas demandada: segurança/garantia de informações.

Acessibilidade

Outro detalhe positivo é a redução dos algoritmos a redução do tempo necessário para treiná-los. A equipe do AI Índice observou que houve redução de três horas, em 2017, para unicamente 88 segundos, em 2019, no treinamento de algoritmos de visão de máquina em um conjunto de dados popular. Apesar disso, os custos também registraram queda de milhares de dólares em anos precedentes para valores de apenas 2 dígitos este ano.

Investimento

Os carros autônomos receberam mas investimento privado do que outro setor, com pouco menos de 10% da totalidade emprego destinada aos carros, movimentando por volta de US$ 7,7 bilhões.

O segundo lugar foi ocupado por pesquisas na extensão médica reconhecimento facial, atraindo por volta de US$ 4,7 bilhões. Já campos industriais foram menos chamativos, com a automação de processos de robôs arrecadando US$ 1 bilhão o governo da calabouço de suprimentos mas de US$ 500 milhões.

Humanos alternativamente a Máquinas

O relatório também apresenta uma traço do tempo de momentos marcantes de desempenho, quando a IA alcançou ou superou os níveis humanos. Ela inicia na década de 1990, os programas vencem os humanos pela primeira vez no xadrez abrem espaço para jogos de tabuleiro videogame.

Funções variadas compõe a risco do tempo, como a classificação ao nível humano para imagens de cancer de pele desenvolvidas em 2017, a tradução de chinês para inglês em 2018. Este último item é desculpa de discordância entre os linguistas, que abonam que a tradução simultânea ainda está bastante atrasada em relação às práticas humanas, porque dificilmente um robô ira substituir a memória flexível humana veja aqui.

Conquanto, é razoável declarar que a perceptibilidade sintético vence os humanos em domínios específicos, porém não em capacidade por norma geral. As vitórias confirmadas das máquinas são resultados de jogos atividades com paquete específicas, o que torna simples seu estágio minimiza as chances de falhas. Entretanto, ao mudar esse cenário para exercícios mas complexos, os humanidade ainda obtêm vantagem.

Por ex, um robô ensinado para exercitar StarCraft II perderia facilmente no xadrez para um jogador de cinco anos, embora a IA tenha como detectar imagens de cancer de seio com a mesma exatitude de um oncologista, o mesmo não deve ser dito sobre cancer de pulmão. Isso quer dizer que não obstante qualquer vez mas aperfeiçoadas, as tecnologias não possuem inteligências flexíveis o suficiente para substituir os humanidade.

Os desafios da interação humano-robô

 

O homem buscava imaginar o horizonte, particularmente, o século XXI, a teoria de um planeta povoado por robôs, que realizariam todo gênero de de atividade, estava bastante presente. Dos desenhos animados, aos filmes de ficção científica, mostrando contexto acadêmico, a relação entre homens máquinas desperta inúmeras questões, que vão das incentivos na realização de ocupações cansativas, aos receios de que essas interações possam transpor do nosso controle.

Diante desse contexto, os professores Jackson Rangel do Promanação Daniel Macharet, do Departamento de Ciência da Computação (DCC) da UFMG, elaboraram pesquisa que procura meditar propor soluções para a interação entre homens robôs. O projeto “Navegação socialmente razoável de robôs em ambientes com a presença de humanos”, que possui o espeque da Fapemig, da Capes do CNPq, conta ainda com a participação de Roberto Vasconcelos Pereira, bolsistas de início científica.

A busca, realizada no Laboratório de Visão Computacional Robótica (VerLab), do DCC, secção da premissa de que, diante do prolongamento do número de robôs na sociedade, é preciso observar atuação dessas máquinas. um dos primeiros aspectos a se trabalhar é a questão do reconhecimento, pelo robô, do humano no envolvente. É preciso que este saiba diferenciar uma persona de um objeto , desta forma, fazer seu movimento (navegação) de forma apropriada.

Conforme o Douglas, a robótica vem entrando em uma novidade tempo, que possui como prol a espaço de estudos em Interação Humano-Robô (IHR).

Para tanto, uma questão essencial a se trabalhar é a percepção do envolvente. Como o robô irá perceber reconhecer os elementos presentes no seu arredores? Daí “surge” a interação entre as duas áreas: a robótica a visão de programação computacional. Como Jackson, desde técnicas de visão computacional, é provável reconhecer examinar o envolvente, tendo em vista peculiaridades essenciais como a presença de humanos, quantidade, intervalo dessas pessoas com relação ao robô.

Dessas informações, conseguidas através do uso de uma câmera (visão), inicia-se a trabalhar como a navegação do robô deverá proceder. Dependendo das peculiaridades da cena, são feitas adaptações que modificam a trajetória do robô, da mesma maneira que sua rapidez de navegação.

Para Jackson, esse temor se deve em secção à questão do movimento das máquinas.

Tornar a presença de robôs alguma coisa orgânico é um duelo que, certamente, só será superado eles estiverem mas difundidos na sociedade. Como nos contam os professores, a própria realização dos testes em ambientes reais (vídeo ) foi dificultada devido ao “fascínio” atiçado pelos robôs, que atraiam diversos curiosos.

Maneiras cultura

No maior contexto da busca, os professores explicam que esse é um primeiro passo que ainda há bastante a se fazer, particularmente, no que se cita às modulações de maneiras. Nessa vista, eles destacam os negócios realizados nos campos da psicologia da antropologia referentes aos padrões de conduta humano. “Perante todo material produzido sobre humanos, será que é provável impor essas mesmas menarquia ao robô? Isso irá funcionar? A principal regra com que trabalhamos, nesse estudo, foi a das áreas sociais. A relação entre o espaço público o pessoal”. diz Daniel.

Conquanto, conforme ressaltam os professores, não é provável se ter uma forma de fábrica para um robô. Por mas que sejam observadas questões culturais, por ex, há ainda as diferenças interculturais. Por conseguinte, é fundamental que o robô tenha como ter suas configurações ajustadas pelo cliente , de forma, controlar “aprender” incessantemente, conforme as interações demandas desse utilizador.

Para Jackson e Daniel, os pontos de prol no projeto foram dados pela cooperação entre as áreas pela participação dos alunos da graduação. Além dos ganhos relativos ao estágio à treinamento de futuros estudiosos, há também os resultados científicos consistentes, que permitiram a redação de um post a participação dos alunos no Latin American Robotics Symposium (LARS) no Conferência Brasílico de Robótica (SBR) – informações externo pátrio – que, este ano, foram realizados em conjunto na Universidade Federalista de Uberlândia.

Como perenidade do estudo, os coordenadores do projeto esperam sustentar ampliar a cooperação entre as áreas para evoluir nas análises propostas em derredor dos desafios da Interação Humano-Robô. “As aplicações são várias, a partir de fábricas hospitais, até os usos domésticos, tendo em vista, por ex, pessoas com necessidades singulares ou mesmo o envelhecimento da população a consequente urgência de cuidados”, conclui Daniel.

 

Qual o propósito da programação na robótica?

roboticaNos dias de hoje ainda é bastante usual os pais educadores perguntarem com o propósito de serve a programação robótica. Conquanto, está provado que atividades como aulas de programação robótica são bastante eficazes ao nível da escolaridade obrigatória como português (até ao 12º ano), porque estimulam a originalidade do lecionando, melhorando o seu trabalho em equipe aumentando a sua concentração. Esta classe de atividades abre também portas à originalidade, deixando que os alunos vejam o planeta as pessoas que o rodeiam.

Para que funciona a programação a robótica?

A programação é uma das áreas da ciência em jacente prolongamento a nível global. É também uma forma precípuo eficiente de ensinar as pessoas a utilizar a técnica de uma forma conscienciosa, mostrando constantemente por ter controlo totalidade exatamente a mesma, uma vez que a pedra basilar da conhecimento é facilitar inovar, ajudando-nos na funções do dia-a-dia.

Aprender mas, a partir de pequeno, sobre temas como a programação a robótica aumenta o interesse tecnológico dos nossos jovens, porque ajuda-os a filosofar de uma forma mas lógica. Para apesar disso, a programação tem “línguas” próprias com as quais se escrevem as linhas de código de um programa multíplice. Quem se interessa por estas línguas a partir de cedo completa por desenvolver um melhor raciocínio lógico, expandindo a sua originalidade. A programação não é mas do que o meio de pensamento do raciocínio lógico a sua frase, através da idealização geração de programas ferramentas.

A Happy Code ressalta-se na extensão da técnica porque aborda a humanidade estes dignidade, em teoria bastante complexos, de uma forma interativa ativa. Utilizando atividades práticas projetos que desafiam a originalidade o pensamento, é provável incentivar os alunos a aprenderem qualquer vez mas induzir neles a procura pelo conhecimento, para além do trabalho em equipa, substancial em lugar do planeta.  Nesta dimensão em palpável, a troca de convicções reverência pelos colegas de equipa é importante para o bom desenrolar de projeto, também ode aprender mais no curso de php do zero ao profissional.

Ensino das áreas da tecnologia cresce em Portugal  e no Planeta

Devido ao poderoso componente tecnológica do planeta quando vivemos, é crucial descobrir manusear trabalhar com os diferentes ouro de técnica notícia.

Em numerosos países, há escolas que adaptam como currículo obrigatório aulas de programação robótica. Graças à sua poderoso componente prática, estas duas áreas para descobrir incentivam os jovens, porque estes conseguem ver a emprego imediata dos conhecimentos lecionados. Para aliás, a consciencialização de que nem nós próprios nem o planeta deve ser submetido pelas máquinas. É também essencial alertar os jovens para os perigos que ao vício pela técnica deve ocasionar.

Alguma coisa bastante essencial de agora em diante dos seus filhos são as exigências atuais do mercado de trabalho tecnológico. Estando em metódico incremento, a procura de profissionais qualificados nestas áreas é bastante extensa. Para tal, se os seus filhos se interessam por esta espaço, podem a partir de já debutar a aprender como funciona a ciência recorrendo aos cursos oferecidos pela Happy Code.

Como aprender programação robótica

Um dos ouro mas essenciais para aprender a programar é utilizar o tão reconhecido Arduino, que liga de uma forma maravilhosa a automação robótica com a programação. O curso de Robótica ensina a trabalhar com esta placa através da implementação de pequenos projetos; esta é mesmo a melhor forma de aprender de uma forma interativa. A Happy Code oferece, a título de , projetos de programação de Arduino para vincular desligar uma lâmpada, até alguma coisa mas multíplice como vincular motores gerar sistemas que interagem entre si através da placa de Arduino. Uma das grandes ganhos desta plataforma é o facto de operar em modo hardware acessível, o que aumenta bastante a possibilidade de fazer o download de recursos de aprendizagem teor personalizado, a programação é fundamental para robótica, pois é onde fica todo o sistema neural artificial da Inteligência robótica e todo conhecimento em programação como php, html, dentre vários códigos são a essência de todo o processo veja neste um exemplo de código www.aprenderpassoapasso.com/curso-php-do-zero-ao-profissional-funciona/

 

 

Evento de robótica: Don’t miss the AAAI 2020 Robotics Exhibit

Don’t miss the AAAI 2020 Robotics Exhibit

The Nineteenth Edition of the Robotics Program at AAAI is happening right now in Atlanta GA, July 12-15th, at the Westin Peachtree Plaza.  This year’s event is co-chaired by Monica Anderson and Andrea Thomaz, and is sponsored by the NSF, Microsoft Research, and iRobot.

The AAAI Robotics Program has a long tradition of demonstrating innovative research at the intersection of robotics and artificial intelligence. This year, the AAAI-20 Robotics Program will feature a workshop on “Enabling Intelligence through Middleware” (July 12th) and a robotics exhibition (July 13-15th) with the following demonstrations of intelligent robotics on display Tues-Thursday, in the Vinings rooms on the 6th floor (near registration).

  • Robotic Chess: Small Scale Manipulation Challenge: The AAAI-2020 Small-Scale Manipulation Challenge is designed to highlight advances in embodied intelligence using smaller than human size robots. Robotic chess requires the integration of sensing, planning and actuation and provides an opportunity for performance on a common, well-defined task.  The chess challenge will run on Tuesday July 13th, with matches at 10am, 1pm, and 4pm.  Additionally the chess robots will be on display throughout the exhibit.
  • Learning by Demonstration Challenge: This will be the second annual exhibit and challenge on robot Learning by Demonstration (LbD).  The purpose of this event is to bring together research and commercial groups to demonstrate complete platforms performing LbD tasks.  Our long-term aim is to define increasingly challenging experiments for future LbD events and greater scientific understanding of the area.  This year 5 teams will bring robots that will learn a sorting task from a human teacher.  The LbD challenge will run on Wednesday July 14th at 4pm.  And the LbD robots will be on display throughout the exhibit.
  • Robotics Education Track: This venue offers an accessible and flexible opportunity for undergraduate, early graduate, or pre-college student teams to design, implement, and demonstrate an autonomous robotic system. The tasks involved span physically-embodied AI: exploration, interaction, and learning within an unknown environment. In the long run, we hope to motivate hands-on AI robotics investigation both for its own sake and in service to other academic disciplines and educational goals.  This year we have 8 university teams contributing to this part of the exhibit.